Vale a pena investir em uma franquia de serviço em saúde ocupacional em 2022?

Investir em uma franquia de serviço em saúde ocupacional pode ser uma boa alternativa para quem deseja empreender e tocar o próprio negócio em 2022. Entenda os motivos.

Investir em franquia de serviço ocupacional é uma boa alternativa para quem deseja empreender e tocar o próprio negócio em 2022. Os investimentos são menores do que começar uma empresa do zero, além disso, também já se contará com uma marca reconhecida pela sua atuação no ramo escolhido.
Entre as áreas que se destacam nesse sentido, está a de franquia de serviço ocupacional. Vale muito a pena investir no ramo da medicina e da segurança do trabalho.
Para que você entenda o porquê de investir em uma franquia de serviço ocupacional, listamos uma série de vantagens. Confira!

Não há risco de variações sazonais em uma franquia de serviço ocupacional

Se existe um negócio em que não há o risco de variações sazonais são as franquias de serviços ocupacionais. Afinal, as empresas sempre necessitarão realizar os exames ocupacionais e desenvolver laudos de segurança do trabalho. Por conta disso, em todas as épocas do ano haverá trabalho e a lucratividade do negócio é garantida.
A obrigação das empresas registrarem informações sobre a saúde de seus colaboradores na plataforma do eSocial também fará com que aumente ainda mais a necessidade de as organizações investirem na saúde e bem-estar do colaborador.

Pouco custo de instalação

Os custos de instalação desse tipo de empresa não são muito altos. É claro que você precisa investir em uma boa infraestrutura e garantir uma sala de espera adequada, consultórios agradáveis para receber os pacientes, escritórios bem estruturados para os funcionários etc. Porém, esses custos são relativamente baixos, e você os teria em qualquer tipo de negócio que fosse investir.

Não é necessária a formação em saúde

Engana-se quem pensa ser necessário ter formação na área da saúde para abrir uma franquia de serviço ocupacional. Você pode ser um engenheiro, um administrador ou ter qualquer outra formação e investir nesse tipo de negócio. O importante é querer aprender e se desenvolver dentro do negócio, afinal, você precisará entender sobre a prestação de serviços médicos oferecidos na sua empresa.

Orientação e assistência na administração do negócio de franquia de serviço ocupacional

Quando você opta por ser um franqueado, além de poder usufruir de uma marca reconhecida no mercado, também terá orientação e assistência na administração do negócio. Assim, se terá a certeza de que o negócio será bem-sucedido, pois você terá excelentes profissionais especializados e que conhecem a realidade da marca e do mercado de saúde ocupacional para orientá-lo.

Obrigatoriedade de as empresas contarem com esses serviços

As empresas são obrigadas a contratar os serviços de saúde e segurança ocupacional, caso contrário são autuadas e podem sofrer processos trabalhistas por parte de seus empregados. Por isso, esse tipo de trabalho é e será sempre procurado.
Essa obrigatoriedade é uma oportunidade para os empresários da área, pois você sempre terá demanda de trabalho. Comumente que uma empresa contrata um novo funcionário ou faz uma demissão, essa pessoa precisa passar por uma avaliação médica.
Além disso, também é preciso que as organizações cumpram com programas como o PCMSO e o PPRA/ PGR, e o seu negócio proporcionará auxílio nesse sentido.
Como você pode perceber, existem muitas vantagens ao abrir uma franquia de serviço ocupacional. Por isso, podemos dizer que sim, vale a pena fazer esse investimento.

Por que investir em uma franquia de serviço em saúde ocupacional em 2022?

Investir em uma franquia de serviço em saúde ocupacional em 2022 pode ser sim um excelente negócio, sendo que de acordo com a Pesquisa Trimestral de Desempenho do setor de franquias no segundo trimestre de 2021, realizada pela Associação Brasileira de Franchising – ABF, o segmento de Saúde, Beleza e Bem-Estar foi um dos que se destacaram mesmo diante a pandemia, registrando um desempenho positivo de 21,2% no faturamento do 2º trimestre de 2021 em relação ao mesmo período de 2019, com R$ 9,6 bilhões de receita. Esse índice é 17% maior comparado ao período do ano de 2019, antes da pandemia.

MedNet: excelência no segmento há mais de 25 anos

A MedNet é uma empresa de Medicina e Segurança do Trabalho com mais de 25 anos de experiência e mais de 40 unidades espalhadas pelo Brasil, sendo uma marca consolidada de prestação de serviços ocupacionais que oferece solução completa em SST, pois conta com profissionais altamente qualificados, além de uma Plataforma Web própria, Mensageria para o eSocial, EAD de Treinamentos das NRs, Tabelas de SST e muito mais!
A franquia certa para você investir em 2022! Com faturamento médio de R$ 90 mil reais por mês, com uma margem de lucro de 20%, retorno do investimento de 24 a 36 meses, a MedNet é líder de mercado sendo uma empresa que conta com software próprio adequado às obrigações do Programa do Governo, visando o melhor para seu cliente final. Com um investimento baixo e com uma infraestrutura enxuta, a MedNet é a franquia ideal para você investir em 2022!

Seja um franqueado MedNet! Entre em contato agora mesmo!

Por MedNet

Lei de franquias: saiba quais operam nesse mercado

Nesse cenário, o modelo pode ser um ótimo aliado seu, conferindo uma oportunidade melhor de começar a empreender. Para isso, é importante conhecer a fundo a lei de franquias, quais são suas exigências e como ela impacta suas decisões. Afinal, ela serve para regular as suas responsabilidades, mas também garante direitos ao empreendedor.

Para ajudar a entender melhor o assunto, vamos explicar mais sobre a franquia e suas leis, quais normas ela estabelece e como a nova lei da franquia mudou seu texto. Acompanhe.

O que é uma franquia?

Para aqueles que não sabem, uma franquia é um sistema de negócio onde uma marca grande e já estabelecida (franqueadora) permite que um investidor (franqueado) abra uma filial dela em sua área. Dessa forma, o franqueado recebe orientação sobre como prestar o mesmo serviço da marca e aproveita também sua divulgação. Em troca, ele deve pagar uma porcentagem de seu lucro mensal à franqueadora todo mês.

Esse modelo de negócio é bem mais antigo do que aparenta, com sua origem mais aceita na década de 1850, nos Estados Unidos. Nessa época, não havia uma lei, mas o modelo de negócio estava começando a ser aplicado.

Já no Brasil, as franquias começaram a surgir nos anos 1960, no período pós Segunda Guerra Mundial. Duas marcas que foram pioneiras no país são os cursos de inglês CCAA e Yázigi, os quais ainda existem até hoje. Na década de 1970, novas marcas surgiram, seguindo a maior aceitação e organização desse modelo de negócio.

O que é a lei de franquias?

A lei de franquias só seria promulgada em 1994, momento no qual havia maior estabilidade econômica. Sua intenção era implementar normas que tornassem esse modelo de negócio mais seguro e confiável, estabelecendo limites para o que poderia ou deveria ser feito pelos franqueados e franqueadores, além de dar proteção legal a ambas as partes.

A lei no Brasil se baseia fortemente na lei usada nos Estados Unidos, seguindo os preceitos da boa fé e transparência. Um dos efeitos disso é que a franqueadora tem a obrigação de informar possíveis franqueados sobre todas as suas responsabilidades e exigências.

O texto da lei é bastante breve e enxuto, contendo apenas 11 artigos. Porém, mesmo os que já são suficientes para garantir um bom respaldo da lei em múltiplas situações. É recomendado entendê-los a fundo antes de buscar qualquer oferta de franquia.

Quais são as normas que atuam nesse setor?

Por ser um texto breve, não há grande dificuldade em compreender suas exigências, bastando um pouco de atenção e, em alguns casos, a ajuda de um profissional. As principais normas que podemos destacar estão a seguir.

Conceito Legal

No artigo segundo da lei de franquias, é estabelecido o conceito legal de franquia, delimitando as características que qualificam esse tipo de negócio. Essas definições são muito importantes para evitar confusões ou interpretações incorretas com relação ao papel de cada um. Por exemplo, ela define claramente que não há nenhum vínculo empregatício entre franqueador e franqueado, já que, do ponto de vista legal, são ambos considerados empresários.

“Art. 2º – Franquia empresarial é o sistema pelo qual um franqueador cede ao franqueado o direito de uso de marca ou patente, associado ao direito de distribuição exclusiva ou semiexclusiva de produtos ou serviços e, eventualmente, também ao direito de uso de tecnologia de implantação e administração de negócio ou sistema operacional desenvolvidos ou detidos pelo franqueador, mediante remuneração direta ou indireta, sem que, no entanto, fique caracterizado vínculo empregatício.”

Circular de Oferta de Franquia (COF)

Esse é o documento legal utilizado para validar o vínculo de franquia. Nele devem constar todas as informações jurídicas, financeiras e de atuação que sejam relevantes para o franqueado, garantindo que o contrato de franquia será assinado com plena ciência de todos os fatores envolvidos.

 “Art. 3º – Sempre que o franqueador tiver interesse na implantação de sistema de franquia empresarial, deverá fornecer ao interessado em tornar-se franqueado uma circular de oferta de franquia, por escrito e em linguagem clara e acessível, contendo obrigatoriamente as seguintes informações:”

Entre as informações que precisam ser incluídas nesse documento, algumas das principais são:

  • razão social do franqueador;
  • balanços e demonstrações financeiras;
  • descrição detalhada de funcionamento;
  • taxas, investimento inicial e outros custos;
  • relação dos demais franqueados, subfranqueados etc.

Há vários outros pontos que também precisam ser levados em conta, mas o ideal é conversar com um profissional ou com a própria franqueadora para conferir tudo. Também é estabelecido que deve haver um intervalo mínimo de 10 dias entre a entrega do COF e a assinatura do contrato de franquia, para que haja maior garantia de que o franqueado teve o tempo necessário para fazer sua leitura.

Princípio da Transparência

Como já mencionamos, todo o texto da lei de franquia é baseado na relação de transparência e boa fé entre franqueador e franqueado. Esse é um dos motivos para que haja tantas especificações incluídas no COF. Porém, esse princípio se estende por toda a relação entre as partes envolvidas.

O que mudou na lei de franquias?

Em 26 de dezembro de 2019, foi publicada a lei nº 13.966, que seria a nova lei de franquias. Com ela, o texto da antiga lei, a que foi publicada em 1994, fica substituído. Alguns dos principais pontos que foram alterados são:

  • esclarecimento sobre o vínculo entre franqueador e franqueado;
  • dados que devem constar no COF;
  • regras sobre o ponto comercial;
  • contrato internacional de franquia.

Para franqueados mais experientes, é uma boa ideia conferir essas mudanças. E para os que pretendem se inserir nesse mercado, o ideal é se atentar a fontes antigas e como elas podem ter mudado.

Agora que você conhece um pouco melhor a lei de franquias, é hora de se preparar para investir na sua. Com um pouco de atenção e pesquisa, você certamente encontrará uma boa proposta no mercado.

Quer continuar recebendo nossas informações sobre franquia e negócios? Então assine nossa newsletter e fique sempre por dentro de nossas novidades.

QUAL É O CENÁRIO PARA O EMPREENDEDORISMO NO BRASIL?

O empreendedorismo no Brasil está crescendo e obteve, em 2018, seu segundo melhor resultado desde 2002. É o que revelam os dados da pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM). Mas o que é empreendedorismo?

O empreendedor consegue identificar problemas e oportunidades, desenvolvendo soluções para atendê-las. Ele também investe recursos que contribuem positivamente para a sociedade — um negócio, projeto ou movimento.

Em nosso país, o empreendedor de sucesso se comporta de maneira otimista e corajosa para aceitar riscos. Ele também tem iniciativa, criatividade, capacidade de planejamento, autoconfiança, liderança e perseverança.

Se você se identifica com esse perfil, continue a leitura e conheça o cenário do empreendedorismo no Brasil.

Cenário favorável: o empreendedorismo no Brasil

Retomando os dados da pesquisa Global Entrepreneurship Monitor, eles mostram que cerca de 52 milhões de brasileiros, em idade produtiva, se envolveram em alguma atividade empreendedora em 2018 — equivalente a 38% da população total.

A pesquisa também verificou que 61,8% dos empreendedores brasileiros abriram ou estão abrindo negócios motivados pela identificação de uma oportunidade de mercado. Esse é o melhor resultado dessa taxa nos últimos quatro anos.

Em outras palavras, as mudanças em nossa economia criam oportunidades para que empreendedores possam surgir. Trata-se da relação entre demanda e oferta.

O público jovem, de 18 a 24 anos, vê no empreendedorismo uma excelente oportunidade para começar no mercado de trabalho. De 2017 para 2018, a participação dessa faixa etária cresceu de 18,9% para 22,2%.

Oportunidade: quando a economia não está bem

Pode parecer contraditório, mas é no cenário de crise que aumenta a vontade de empreender e a tendência ao negócio dar certo.

Em 2017, o portal de notícias G1 mostrou a história de Laércio Dimov — ex-gerente geral de planejamento estratégico de uma grande companhia. Demitido aos 50 anos, Laércio enfrentou dificuldades para se recolocar no mercado de trabalho.

Os meses foram passando e os salários não alcançavam as expectativas do ex-gerente geral. Foi então que, em sociedade com um amigo, Laércio comprou uma unidade de uma franquia de produtos feitos de chocolate.

Na época, a projeção era recuperar o investimento em até três anos. No entanto, Laércio já tinha a expectativa de obter esse capital em até 24 meses.

A história do ex-gerente geral é, em maior ou menor escala, parecida com a de muitos brasileiros. A crise revela oportunidades e o consumidor apresenta novas demandas.

Na recessão econômica dos últimos anos, o comércio eletrônico cresceu 15%, bem mais que os 2,3% do varejo tradicional. Esses números não revelam apenas uma questão de tendência, pois o consumidor descobriu que pode economizar quando compra on-line.

Franquias na crise

A pandemia de COVID-19 trouxe dificuldades para diversos empreendimentos, assim como tempos realmente difíceis para quase todos os negócios já instalados. No entanto, alguns segmentos como as franquias na crise não se abalaram e, em alguns casos, cresceram ainda mais.

Dessa forma, representam setores da economia com certa estabilidade e, ao mesmo tempo, constituem ótimas oportunidades para investimento em suas respectivas franquias. É o caso do setores de alimentos e de medicina ocupacional, por exemplo.

Segurança: a escolha de uma franquia para empreender

O setor de franquias é uma excelente oportunidade para quem deseja começar a empreender, mas com a segurança de uma marca já estabelecida no mercado. E a relação franqueador x franqueado é muito simples.

Dono do empreendimento original, o franqueador detém os direitos sobre um modelo de negócio bem-sucedido e que tem potencial para crescer. Por isso, permite que outras pessoas possam replicar unidades de seu negócio em outras partes do país.

Para que essa replicação aconteça, regras e condições serão pré-estabelecidas. Do mesmo modo, os resultados serão compartilhados.

Do outro lado encontramos o franqueado, que pode ser inexperiente, mas tem o desejo de abrir um negócio próprio e opta pela franquia com o objetivo de reduzir os riscos da incerteza. Sendo assim, escolhe esse modelo de negócio já estruturado.

Por menor que sejam, os riscos existem e encará-los é um dos grandes elementos da atividade empreendedora. Em compensação, as vantagens são numerosas. Conheça-as a seguir.

Medicina e segurança do trabalho

Saúde e segurança do trabalho estão presentes em todas as empresas e exigem grande quantidade de serviços, seja em razão de pequenas ou de grandes demandas. A legislação trabalhista brasileira é muito exigente nesses aspectos e, portanto, trata-se de um mercado permanente e sempre crescente.

A franquia nesse setor, quando se trata de organização franqueadora estabelecida no mercado e reconhecida pela qualidade de seus serviços constitui um excelente negócio. Sobretudo, porque grande parte das necessidades das empresas em geral é compulsória, isto é, a franqueada vai operar em um mercado onde as demandas são permanentes.

Além disso, franquias oriundas de uma organização bem estabelecida podem contar com recursos tecnológicos próprios como plataforma exclusiva e CRM (gestão de relacionamento com o cliente) em nuvem. Ao mesmo tempo, permitem operar com uma infraestrutura enxuta, o que requer baixos investimentos do franqueado.

Outro importante aspecto que facilita ainda mais o segmento é constituído pelas franquias que oferecem maior amplitude nos serviços. Assim, atendendo a todas as exigências das normas trabalhistas que regulam a medicina e segurança do trabalho, a construção de uma carteira de clientes é ainda mais rápida e facilitada.

Como se vê, diversas franquias na crise enfrentada pela economia durante a pandemia continuaram apresentando crescimento. São setores nos quais o investimento oferece oportunidades de sucesso, em especial aqueles cuja natureza não reduzem suas demandas. E é um dos seguimentos que mais cresceu das franquias na crise.

Marca conhecida pelo público

Você não precisa investir em um projeto complexo de comunicação e marketing, pois a marca já é conhecida pelo público e, em muitos casos, faz parte da rotina dele. Isso contribui bastante com a divulgação do negócio.

Crescimento sempre em expansão

A rede de franqueados faz com que o negócio cresça continuamente por mais regiões do país — de modo ágil de estratégico. Nenhuma unidade é aberta sem que sejam feitos inúmeros estudos que garantam sua viabilidade.

Segurança para trabalhar

Por mais que seja um modelo fechado de negócio, o contrato garante ao franqueado uma proteção jurídica contra possíveis revisões no acordo. Desse modo, o empreendedor obtém mais segurança para trabalhar.

Treinamento para a gestão da unidade

Outra vantagem de empreender por meio de uma franquia é o treinamento recebido pela marca para que sua gestão mantenha o padrão de qualidade da rede. Ela o ensinará o necessário para o controle do negócio.

Fornecedores à disposição

Você não precisa buscar fornecedores para atender seu negócio, pois a franqueadora possui uma lista com todos os que são homologados e que têm capacidade técnica para fornecer os melhores produtos.

Preços mais competitivos

É mais barato comprar no atacado do que no varejo, certo? Por isso, uma rede de franquias consegue preços mais competitivos do que um negócio menor e que trabalha de maneira isolada.

Constante busca por inovação

Alguns empreendedores acreditam que as franquias não são espaços ideais para liberar a criatividade. De fato, elas seguem um modelo de negócio. No entanto, há uma constante busca por inovação e novas soluções para atender o público-alvo.

Suporte para alinhar os pontos estratégicos

As unidades não trabalham de modo isolado. Por mais independentes que sejam, elas contam com total suporte da franqueadora para alinhar os pontos estratégicos e manter a qualidade dos produtos e serviços oferecidos.

Estratégias de marketing já definidas

Seu negócio pode ser local, mas a franqueadora investe em campanhas nacionais para tonar a marca ainda mais conhecida. Suas estratégias de marketing já vêm definidas, o que facilita muito direcionar as ações de comunicação a curto, médio e longo prazo.

Como você pôde ver, o empreendedorismo no Brasil abre as portas para quem está disposto a mudar de vida por meio das próprias iniciativas. Mas ele oferece também uma oportunidade para quem quer ter um negócio com menor risco: as franquias.

O empreendedorismo é para todos! Curta e siga nossa página no Facebook para conhecer uma opção de franquia em prestação de Serviços de Medicina e Segurança do Trabalho.

Planejamento empresarial sobre tributação previdenciária

No cotidiano da assessoria e consultoria jurídica empresarial, nos deparamos com empresas pouco interessadas em questões relacionadas à área preventiva, especialmente no âmbito dos tributos previdenciários, lembrando que, permanecer sem uma análise jurídica detalhada de questões como o percentual do RAT (Risco Ambiental do Trabalho).

A base de cálculo das contribuições a terceiros, é sinônimo muitas vezes de recolhimentos tributários indevidos, gerando impacto direto na área financeira da empresa.

A contribuição social previdenciária de Risco Ambiental do Trabalho (RAT, antigamente chamada de SAT), cujas alíquotas variam de 1%, 2% ou 3%, poderá ser majorada pela Receita Federal do Brasil e lançada por arbitramento, com o acréscimo adicional de 6%, 9% ou 12%. 

Tal acréscimo ocorrerá, por exemplo, se os auditores-fiscais da RFB constatarem a ausência de programas de segurança e medicina do trabalho exigidos por lei (PPRA, PCMSO, LTCAT, etc.).

O planejamento empresarial é fundamental para o sucesso de uma empresa, sem ele é como se fosse construir um prédio sem a sua planta.

Outra questão, que impactará diretamente a base de cálculo das contribuições previdenciárias devidas pela empresa, é o chamado FAT (Fator Acidentário de Prevenção), sendo que, as empresas que registrarem maior número de acidentes de trabalho ou doenças ocupacionais, terão majorado o Risco Ambiental do Trabalho (RAT).

Por isso é muito importante o conhecimento e a análise da metodologia de apuração, o que permitirá a redução da carga fiscal sobre a folha de pagamento.

Não menos importante é a análise da contribuição previdenciária devida aos terceiros (Sistema S e outros), em razão do entendimento do STJ (Superior Tribunal de Justiça) no sentido de que aplica-se o limite de 20 (vinte) salários mínimos.

No entanto, a Receita Federal do Brasil entende que essa limitação da base de cálculo, prevista no artigo 4º da Lei nº 6.950/81, foi revogada pela legislação posterior e, assim, exige que a referida alíquota seja aplicada sobre o valor total da folha de pagamento da empresa, cuja diferença de valores pode ser exorbitante.

Diante dessa postura da Administração tributária, que é flagrantemente contrária à jurisprudência do STJ, o melhor caminho a seguir é a propositura de uma ação declaratória cumulada com pedido de repetição de indébito.

Essa ação, em termos simples, vai pedir que o juiz declare que as contribuições parafiscais devem incidir apenas até o limite de vinte salários mínimos e que determine a restituição, pela Receita, do valor pago a maior nos últimos cinco anos.

Assim, com algumas medidas preventivas e de gestão fiscal, o planejamento empresarial é medida que deveria ser permanentemente observadas pelas empresas, é plenamente possível a redução de carga tributária e, inclusive, a recuperação de tributos pagos a maior.

É POSSÍVEL USAR O FGTS PARA ABRIR FRANQUIA? ENTENDA MAIS AQUI

Está pensando em utilizar o FGTS para abrir franquia? Muitas pessoas não abrem seu negócio próprio ou franquia por acharem que não tem os recursos necessários. Será que é possível começar na vida de empreendedor com um empréstimo ou utilizando os valores que estão no fundo de garantia?

Para responder a essas perguntas, você verá, neste texto, se é possível investir em franquias por meio de financiamentos, quais são as melhores opções e como usá-las na prática.

Pronto para começar a investir? Então, descubra as melhores formas para fazer isso. Boa leitura!

É possível investir em franquias por meio de financiamentos?

Não contar com os recursos necessários para abrir uma franquia não deve ser visto como um impedimento para começar o negócio. Isso se dá pelas diversas opções existentes para conseguir o valor necessário para o investimento.

Entretanto, o empreendedor deve analisar as opções disponíveis e os valores contratados para entender se conseguirá honrar o compromisso a ser realizado.

Vale ressaltar que, no início, a maioria dos negócios não conseguem extrair todo o potencial do mercado. Por isso, lembre-se de que você deverá arcar com os valores financiados mesmo se a franquia não estiver dando o retorno esperado.

Isso significa que a escolha da melhor franquia também é fundamental, já que uma má decisão dificultará o faturamento e consequentemente o pagamento aos bancos ou fundos.

Veja agora quais são as principais opções que você tem.

Quais são os tipos de financiamento?

Veja quais são as opções mais utilizadas para conseguir um financiamento.

Empréstimo

Há diversas linhas nos bancos tradicionais e nos fundos de desenvolvimento disponíveis para quem deseja empreender. No caso das franquias, é necessário apresentar o plano de negócios elaborado por você e pelo franqueador.

Os valores podem chegar a 20 milhões, no caso de empréstimo no BNDS (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Utilização do FGTS

Os valores presentes no fundo podem ser sacados em caso de aposentadoria ou quando o empregado é afastado de forma involuntária do seu trabalho. Se você se encaixa em uma dessas opções, utilizar o valor é interessante, já que não pagará juros para utilizar o dinheiro. Uma alternativa é fazer um empréstimo consignado utilizando o valor depositado no FGTS como garantia. Dessa forma, os juros são menores.

Como utilizar?

Calcular o dinheiro disponível

Antes de qualquer coisa, descubra qual é o valor disponível em sua conta no FGTS. É com esse valor que você saberá se será possível investir no negócio. Vale lembrar que é importante ter mais que o necessário para começar o negócio. Caso contrário, você poderá passar por dificuldades se acontecer algum imprevisto.

Descobrir quando poderá ser sacado

Além disso, procure saber quando o dinheiro estará disponível para ser sacado. Assim, você saberá em quanto tempo poderá contar com ele e se planejar.

Estudar o mercado em que o dinheiro será investido

Para que o dinheiro empregado seja, de fato, um investimento, você deve estudar a fundo o mercado em que aplicará os fundos. Verifique se ele está em alta, além de entender se há compatibilidade entre você e as funções a serem desempenhadas.

Agora que você viu as melhores opções para começar seu negócio, como FGTS para abrir franquia, bem como as linhas de empréstimo, é hora de procurar uma boa opção de franquia e estudar quais delas se encaixarão melhor nos seus planos. Dessa forma, o sonho estará mais próximo de se tornar realidade.

Quer receber mais dicas na sua caixa de entrada? Então, assine agora mesmo nossa newsletter. Esperamos por você!

PERFIL DE EMPREENDEDOR: CONHEÇA OS PRINCIPAIS E SUAS CARACTERÍSTICAS

O empreendedorismo no Brasil vem se tornando um movimento cada vez mais forte, ao mesmo tempo em que tem sido recebido com simpatia pela população. Ter perfil de empreendedor, no entanto, é necessário para alcançar o sucesso.

Assim, características pessoais são fortalecidas pelo aprendizado e pela dedicação. Ao mesmo tempo, as facilidades dos inúmeros instrumentos de gestão disponíveis fazem transparecer um variado elenco de perfis atuando no mercado.

Dessa forma, aparecem desde aqueles que têm como traço mais importante a própria individualidade, até os que são mais voltados à conquista de seu espaço por meio de trabalhos sociais ou ambientais.

Continue a leitura e conheça os principais perfis de empreendedor e suas características.

Empreendedor – Individual

O empreendedorismo individual talvez seja o modelo mais rústico dentre todos, no sentido de que sua bandeira é a sobrevivência. Quando evolui, qualifica seus resultados, mas mantém a postura de trabalhar sozinho ou, no máximo, com um auxiliar.

Desse modo, sua empresa é planejada e conduzida por ele e a principal referência que adota são suas próprias ideias e valores. Nesse sentido, é norteado por valores morais e éticos que o conduzem em uma direção da qual não pretende se afastar.

Por sua vez, o perfil individual apresenta características de empreendedor independente, geralmente uma pessoa madura e com posicionamentos já estáveis. De modo geral, os grandes sucessos não fazem parte de suas realizações.

Inovador

O que caracteriza o inovador é sua capacidade criativa. Alguns empreendedores são assim de modo natural, enquanto outros podem se tornar inovadores por dedicação e aprendizagem.

Inovar é a grande iniciativa no mercado hoje e o empreendedor com esse perfil está no momento mais adequado para alcançar o sucesso. O potencial para identificar oportunidades de negócio em situações de crise valoriza profissionais com essa característica.

Quando associado à tecnologia, o empreendedorismo inovador é o grande mote das iniciativas conduzidas pelas novas startups. Assim, considere as seguintes características desse perfil:

  • tem intimidade com os processos criativos;
  • enxerga oportunidades;
  • vê com clareza e objetividade;
  • avalia os riscos a que se submete empreendendo;
  • é dotado de autoconfiança.

Em especial, a personalidade inovadora detém uma certa inquietação que promove a vontade de mudar. O lucro que o empreendedor inovador pretende auferir resulta da novidade que implanta no mercado.

 Social

O empreendedorismo social é quase o inverso do individual, exatamente por ser coletivo. Um perfil dessa natureza se aplica com precisão nos trabalhos de produção e serviços voltados para a comunidade.

No entanto, deve-se considerar que não se trata de assistência social, mas de empreendimentos visando lucro e resultados sociais de fato. Por essa razão, o perfil de um empreendedor social de sucesso apresenta características como:

  • é um gestor profissional;
  • realiza seu melhor desempenho localmente;
  • garante a sustentabilidade financeira de seu empreendimento;
  • é capaz de inspirar mudanças;
  • promove a inclusão de pessoas com alguma limitação social.

Assim, pode-se dizer que o lema do empreendedor com perfil social é a construção de um mundo melhor. Nesse esforço para desenvolver a comunidade onde atuar é capaz de gerar lucro e desenvolver o próprio empreendimento para alcançar outras comunidades.

Corporativo

O empreendedor corporativo geralmente é um colaborador que coloca em prática o empreendedorismo nas ações dentro da empresa onde atua. Assim, suas práticas são aquelas do próprio dono do negócio, de modo que assume a responsabilidade de fazer a empresa avançar e crescer.

Nesse sentido, inova e questiona com o fim de aprimorar a empresa e não se limita ao básico de suas funções. Dessa forma, onde puder atuar para melhorar a empresa ele o faz com esse fim.

Assim, pode-se caracterizar o perfil corporativo do empreendedor principalmente a partir dos seguintes valores:

  • manifesta senso de liderança no contexto em que atua;
  • apresenta visão sistêmica da empresa;
  • tem comportamento proativo e induz à proatividade;
  • é criativo e inovador;
  • trabalha com foco no objetivo.

Público

O perfil público do empreendedor se manifesta quando o profissional de perfil corporativo atua no segmento de governo de qualquer das esferas. É o servidor público com as características do empreendedor corporativo.

Essencialmente, são os grandes responsáveis pelo que há de qualidade no serviço público, uma vez que são motivados pelo desempenho de qualidade no serviço que prestam. Assim, empreendem no interesse público, na medida em que possuem autonomia no segmento em que atuam.

O empreendedor público sabe identificar e focar no poder de que dispõe. Suas ações qualificam o serviço público onde trabalham, seja eliminando entraves burocráticos, seja aprimorando a qualidade do serviço prestado.

Esse perfil pode ser assim caracterizado:

  • sabe escutar as ponderações de terceiros;
  • é aberto e receptivo a novas ideias;
  • observa e estimula novos talentos;
  • acredita na possibilidade de mudança;
  • é criativo na realocação de pessoas.

Empreendedor – Visionário

O empreendedor com perfil visionário é aquele capaz de prever o comportamento de determinado segmento do mercado ou identificar novas preferências do consumo. Sua percepção o coloca sempre à frente de seu tempo.

Assim, o empreendedor visionário não apenas avalia a realidade instalada, mas, sobretudo, projeta as possibilidades futuras para uma condição imediata. Essencialmente, o que o caracteriza é sua capacidade de transformar ideias e sonhos em projetos reais.

No entanto, não se trata de um sonhador, mas de um transformador. O empreendedor visionário realmente altera a realidade presente como resultado das seguintes características principais:

  • é dotado de visão que o capacita a enxergar oportunidades;
  • é autoconfiante e se percebe capaz de realizar o que enxerga;
  • sabe ser persistente, perceber obstáculos e providenciar meios para sua superação;
  • impõe disciplina no que faz, sobretudo para si mesmo;
  • mantém-se devidamente informado;
  • planeja suas ações com foco no objetivo;
  • sabe lidar com as emoções que surgem no variado tecido dos relacionamentos interpessoais.

Quando se pensa em perfil de empreendedor esses são os principais. Assim também, suas respectivas características que os diferenciam dos demais. São como caminhos que auxiliam à condução do esforço empreendido em direção ao sucesso dos negócios. Você se identificou com algum?

Gostou do post? Qual desses perfis mais se aproxima de suas próprias características? Compartilhe aqui o seu comentário para enriquecer ainda mais esse conteúdo.

Siga nossas páginas e fique por dentro dos assuntos que englobam a saúde, segurança e negócios: Linkedin, Facebook e Instagram.